Dia da Consciência Negra: entenda a relevância da data

Dia da Consciência Negra: entenda a relevância da data

A data abre espaço para que seja discutido o racismo nas camadas sociais
Datas Comemorativas | 20/11/2020
Compartilhe :

O Dia da Consciência Negra é uma data que permite resgatar e valorizar a história do povo negro e sua luta pela liberdade no Brasil. Celebrada em 20 de novembro, a data foi instituída pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. O dia também faz referência à morte de Zumbi dos Palmares e serve como um holofote que coloca em evidência problemas estruturais de uma sociedade, muitos deles interligados com o racismo.

A Faculdade Florence, sabendo a importância da valorização da cultura negra e da promoção da equidade e justiça social, convidou professores do curso de Direito para abordar, nesta matéria, a temática, destacando a necessidade de combate à discriminação racial.

Professor Francisco Júnior

Professor de Sociologia Jurídica Francisco Júnior

O professor de Sociologia Jurídica da Faculdade Florence Francisco Júnior afirma que a data este ano, após diversos protestos que chamam a atenção para a violência contra a vida negra, serve para questionar quais as razões que levam, em pleno século XXI, essa parcela da população a sofrer com a criminalização da cor da pele. “Casos como o de George Floyd, nos Estados Unidos, morto pela pressão do joelho de um policial branco sobre o pescoço enquanto ele estava algemado e de bruços no chão, e do menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, morto em casa a tiros no Complexo do Salgueiro no Rio Janeiro, se tornaram conhecidos e chamam atenção porque alertam para o racismo estrutural”, afirmou.

Para o professor Francisco Júnior, o racismo permeia todas as instâncias da sociedade contemporânea, por isso, ele diz que o racismo é estrutural e integra a organização econômica e política da sociedade. “Também precisamos ter ciência que o racismo não é algo que nasce com a pessoa, é uma construção social, ninguém nasce racista, se torna racista. O racismo permeia todas as estruturas de uma sociedade, por isso é estrutural”, pontuou, acrescentando que o Dia da Consciência Negra é uma data que abre espaço para que esse problema seja verbalizado.

Ele também destaca que convivemos com a naturalização do racismo no Brasil, porque, além de estrutural, o racismo no território do brasileiro é velado, ou seja, ele é constantemente negado, embora ele exista. “Apesar de termos uma legislação que criminaliza a prática de racismo, no próprio judiciário brasileiro há a cultura de silenciar e negar que somos um país racista, apesar da nossa sociedade derivar da escravidão, um alicerce da estrutura social, política e econômica do Brasil durante 300 anos”, explicou.

Professor Fanck Mattos

Professor de Direito Trabalhista Franck Mattos

Outro fator que tem destaque nessa discussão é a inserção e valorização de negros no mercado de trabalho e ensino superior. Segundo o professor da disciplina de Direito Trabalhista da Florence Franck Mattos, por causa do preconceito, os negros enfrentam dificuldade na progressão de carreira, na igualdade de salários e são os mais vulneráveis ao assédio moral no ambiente de trabalho, apesar da proteção constitucional contra o racismo e a discriminação.

“A Justiça do Trabalho e a CLT proíbem as dispensas discriminatórias, uma dispensa por raça, credo e gênero poderá ser vista como discriminatória. O que acontece nos ambientes privados é que a dispensa pode até ser discriminatória, mas o empregador não deixa transparecer, a não ser que o empregado consiga provar com mensagens, vídeos ou testemunhas que o patrão o demitiu por ser negro. Na prática, o que acontece é que muitos empregadores tendem a preferir pessoas de outras cores, como brancos e amarelos, do que contratar pessoas negras, mas, como existe o direito potestativo, no qual o empregador pode contratar quem ele quiser e pode demitir quem ele quiser mediante questões administrativas, o mercado de trabalho é um ambiente de racismo velado. Então a maior dificuldade na área trabalhista é conseguir provar que aquela demissão do negro foi por discriminação racial”, explicou. 

Leis que garantem justiça racial

Ainda que exista o racismo estrutural e velado, uma série de conquistas foram possíveis, como o surgimento de leis que asseguram os direitos da população negra, dentre elas: Lei n.º 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define o preconceito racial e de cor como crime; Lei n.º 12.711, de 29 de agosto de 2012, que determina cotas raciais para o ingresso de estudantes negros nas universidades e instituições federais; Lei n.º 9.394, de 9 de janeiro de 2003, que tornou obrigatório o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas de nosso país.

Outro marco jurídico do combate à desigualdade racial após a constituição de 1988 foi o direito de propriedade das terras pelas comunidades remanescentes de quilombos, considerada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal – STF, em 2018, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3239.

Ações de discussão racial na Florence 

A Faculdade Florence, sabendo da importância da discussão racial, já promoveu diversos eventos, dentre eles: I Seminário Direito e Negritude, debate “Ressignificando o 13 de maio: escravidão contemporânea”, palestra “Trabalho Escravo Contemporâneo”. Além disso, tem como projeto de extensão no curso de Direito o Núcleo de Assessoria Jurídica Universitária Popular (NAJUP), que se destina ao estabelecimento do diálogo entre a Faculdade e a sociedade sobre questões raciais. 

De acordo com o professor das disciplinas de Direito Penal e Processual Penal Jorge Ribeiro, que atuou como coordenador adjunto do NAJUP, a Florence, por meio deste projeto de extensão, já estimulou a formação acadêmica crítica e a propagação da educação em Direitos Humanos, por meio de um amplo debate sobre o racismo e seus impactos na sociedade. 

Professor Jorge Ribeiro

Professor de Direito Penal e Processual Penal Jorge Ribeiro

“Tivemos, por exemplo, a oportunidade de apresentar as propostas e o planejamento estratégico do NAJUP no II Encontro de Metodologia da Pesquisa Jurídica, realizado em 2019, no Auditório da Faculdade Florence, ocasião em que reafirmamos a necessidade de comprometimento da comunidade acadêmica com o monitoramento, diagnóstico e aprimoramento das políticas públicas voltadas à garantia da igualdade de oportunidades, com o enfrentamento, superação e desestímulo às práticas racistas e fomentadoras de discriminação, desigualdades e exclusão social”, pontuou o professor Jorge Ribeiro.

Estude Direito na Florence!

O Curso de Direito da Faculdade Florence possui conceito 4 na avaliação do MEC e se consolida no mercado, há 9 anos, entregando ao Maranhão profissionais com uma sólida formação humanista e técnico-científica, adequada à compreensão interdisciplinar do fenômeno jurídico e das transformações sociais. A formação ofertada na Florence é voltada ao exercício da cidadania e da profissão e ao bom desempenho das várias dimensões profissionais que a Ciência do Direito abrange e para a construção da justiça social de uma sociedade mais igualitária e democrática.

Na Florence, os alunos aprendem com docentes com prática no mercado, matriz diferenciada, flexibilidade, estrutura e boa localização. Os alunos também contam com projetos de pesquisa como “Direito e Sétima Arte” e projetos na área de Compliance. “Além disso, há vários convênios institucionais da faculdade com órgãos públicos, empresas privadas e escritórios de advocacia. Nossos alunos têm todas as oportunidades de serem ‘testados’ por potenciais empregadores diretamente no campo, durante o estágio obrigatório, saindo da faculdade preparados para o mercado de trabalho”, arrematou o professor Artur Melo, coordenador do curso.

Se você sempre sonhou em se formar na área do Direito, não perca mais tempo! Além de todos esses diferenciais, os interessados em cursar Direito na Florence contarão com o benefício da 1ª mensalidade a R$ 49,00, além de outras vantagens exclusivas, como a possibilidade de conseguir uma bolsa de mérito acadêmico de até 70%*.

Ficou interessado? Inscreva-se agora no vestibular 2021.1.

*Confira o edital aqui.

Notícias Relacionadas

SIGA A FLORENCE NO INSTAGRAM