Institucional

Plano de desenvolvimento institucional

APRESENTAÇÃO

Com o propósito de se consolidar como instituição cidadã, mediante o exercício de gestão democrática, o Instituto Florence de Ensino Superior apresenta o seu Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI, tendo vigência de fevereiro de 2016 a fevereiro de 2020, cumprindo uma periodicidade de cinco anos, tendo o seu primeiro ano de desenvolvimento em fevereiro de 2017.

O construto não é apenas um documento técnico-burocrático, mas ferramenta de ação política e pedagógica, garantindo uma condução acadêmica de qualidade, no que diz respeito ao papel formativo e social assumido pelo Instituto Florence de Ensino Superior. O PDI da IES sofreu algumas influências para sua elaboração, considerando as experiências acumuladas pela IES, a filosofia institucional, as Diretrizes emanadas pelo MEC, através do marco legal do SINAES, a avaliação CPA – Comissão Própria de Avaliação, internas e externas, os exames nacionais de curso (ENADE), as reflexões emanadas pelos colegiados e toda comunidade acadêmica, servindo de parâmetro para todos os projetos e atividades institucionais.

Posto isto, o PDI do Instituto Florence de Ensino Superior, doravante, e por um quinquênio, servirá de instrumento de gestão para a instituição manter suas potencialidades e superar suas fragilidades, na expectativa político-pedagógica de uma prática acadêmica de  excelência e referência social. O PDI anterior, 2010 – 2015, apresentou, por meio do seu Plano Gestor, diretrizes que fundamentaram o delineamento de metas e ações institucionais. Algumas delas tiveram a execução e alcance dentro do prazo estipulado e sistematizado pela comunidade acadêmica, o que possibilitou à IES reorganizar suas Diretrizes.

Pode-se destacar nesta seara a oferta dos Cursos de Odontologia e Direito, a última nota ENADE dos Cursos de Farmácia e Enfermagem – 2012, o que deu à IES grande visibilidade social, o recredenciamento institucional, o exercício mais claro e constante de responsabilidade social da IES, especialmente com sua política de incentivo financeiro, suas ações sociais, o atendimento prestado à comunidade por meio da Clínica Escola, PROCON, dentre outros, a ampliação dos espaços acadêmicos e de estudo, como a biblioteca e laboratórios, a aquisição de  bibliografias fundamentais para a formação discente, a formação continuada para o docente, a ajuda de custo para que docentes e discentes participassem de encontros acadêmicos, a utilização de um sistema acadêmico mais dinâmico e funcional, a aquisição de mais colaboradores, tanto docentes quanto técnico-administrativos, a estruturação da CONEX, a reformulação dos Projetos Político-pedagógicos dos Cursos, a consultoria externa, a aquisição de estacionamento para colaboradores, a aquisição de outros prédios, etc.

Entretanto, e por diversas razões, algumas outras metas e ações não foram alcançadas, como a oferta de alguns Cursos de Graduação, Pós-graduação e Aperfeiçoamento, acreditando-se, especialmente, que o grande inibidor das ofertas tenha sido o cenário financeiro vivenciado pelo país. Observa-se que a Comissão Própria de Avaliação – CPA ainda precisa ter uma maior visibilidade institucional, tendo, inclusive, mais atuação, objetivando a promoção e manutenção de uma educação de qualidade. A CAP – Coordenação de Apoio Pedagógico aos Docentes e Discentes necessita ser interpretada como um núcleo institucional bastante importante, capaz de contribuir para o desenho e redesenho curricular, metodológico e avaliativo dos Cursos, especialmente ao tratar sobre os pressupostos teóricos e filosóficos da IES.

Os núcleos colegiados devem avaliar os encontros de discussão como importantes momentos para analisar e propor alternativas de alcance do sucesso institucional, especialmente ao refletir-se sobre o NDE e os Colegiados de Curso.

Confira o documento na íntegra > Plano de Desenvolvimento Institucional.

Plano de Desenvolvimento Institucional